Anuário mostra dados sobre a situação das mulheres no país

As mulheres são maioria na população, conquistaram o mercado de trabalho, mas a participação política ainda é tímida

Foi lançado no em 19 de julho, em Curitiba, o primeiro Anuário das Mulheres Brasileiras, elaborado pelo DIEESE e pela Secretaria de Políticas para as Mulheres. A publicação reúne bases de dados nas questões mais relevantes sobre a mulher nos diferentes espaços e atividades da sociedade.

Patrícia Lino Costa, uma das coordenadoras do anuário, diz que a publicação é uma ferramenta importante para dimensionar a participação da mulher nos diversos estratos da sociedade. “Nós conseguiremos medir e usar o anuário como instrumento para alcançar os diversos desafios sobre a atual condição da mulher na sociedade brasileira”, afirma.

O anuário é distribuído em oito capítulos que abordam os temas Demografia e Família; Trabalho e Autonomia da Mulher; Trabalho Doméstico; Infraestrutura e Equipamento Social; Educação; Saúde; Espaços de Poder; Violência.

Os dados foram reunidos com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), na Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), em estatísticas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e no Departamento de Informática do SUS (Sistema Único de Saúde).

Mulheres são maioria

Segundo os dados do anuário, as mulheres são hoje maioria na população brasileira, com 51,3%, contra 49,7% de homens. Elas equiparam-se quanto à cor da pele, com 49% de mulheres negras e 49% de mulheres não-negras. Nas casas, aumentou o número de famílias chefiadas por mulheres. Em 49% dos domicílios brasileiros é a mulher que paga as contas e sustenta os filhos.

A presença feminina no mercado de trabalho também vem crescendo nos últimos anos. Hoje 52% das mulheres estão trabalhando. Os setores em que a mulher está mais presente são serviços domésticos, comércio e educação. Porém, o rendimento dos homens ainda é muito superior ao das mulheres. Em média os homens ganham duas vezes mais que as mulheres.

Na política, a mulher ainda é renegada. Os dados do anuário revelam que a presença da mulher em cargos ministeriais, por exemplo, ainda é tímida. Apenas 14,8% dos Ministérios no Governo Federal são ocupados por mulheres.

Já nos cargos eletivos, a participação é ainda menor. Nas eleições municipais de 2008, de um total de 5.556 eleitos, apenas 9,1% são mulheres. Atualmente nas  casas legislativas, apenas 12,9% dos deputados estaduais são mulheres, e 8,8% dos deputados federais. No Senado, só 14,8% são senadoras.

Enquanto a participação na política ainda é pequena, nas questões de violência as mulheres, infelizmente, lideram as estatísticas. Enquanto a violência doméstica no Brasil para os homens foi de 12,3%, as mulheres agredidas somaram 43,1% no país.

“A igualdade de gênero é uma questão transversal. Não é possível que a população brasileira tenha mais mulheres do que homens e tenha tão pouca participação nos cargos políticos. Precisamos aumentar nossa participação para que os problemas e as questões que são de interesse da mulher possam ser discutidos e solucionados”, afirma Patrícia Lino Costa, coordenadora do Anuário das Mulheres Brasileiras 2011.


Sobre mulheresdoforum

sou aposentada. Viajo bastante e quero usar este espaço para trocar informaçoes sobre política, cidadania, etc
Esse post foi publicado em Notícias e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s